Como fazer uma Recuperação judicial?


Como fazer uma Recuperação judicial
Como fazer uma Recuperação judicial?

É recorrente ouvir falar no termo recuperação judicial durante períodos de crise econômica, e um exemplo com muita repercussão foi o que aconteceu com as livrarias Saraiva e Cultura. Recentemente, a empresa francesa Duralex também recorreu ao pedido de recuperação judicial. Mas afinal, do que se trata isso?


Com a crise, a recuperação judicial vaio a tona em empresas que já passavam por momentos muito difíceis, pois são nesses momentos que o dinheiro acaba e as dívidas começam. Falta dinheiro para pagar o fornecedor, os funcionários, prestadores de serviços e os impostos, por exemplo.


Para evitar a falência, demissão de funcionários, o comprometimento dos credores e de todo o setor produtivo que a empresa faz a parte, se utiliza da recuperação judicial como último recurso, previsto na Lei 11.101/05.


Essa Lei prevê o acordo com credores para o pagamento de dívidas e tem como objetivo viabilizar a superação da crise de empresas viáveis, tendo como fundamento o princípio da preservação como forma de manutenção da sua função social.


A despeito do cenário atual, de acordo com o levantamento da Serasa Exparian, os pedidos de recuperações judiciais no país caíram quase 18% no primeiro semestre.


De qualquer forma, ainda é expressiva a quantidade de empresas que pede recuperação na justiça, sendo este o meio mais viável para evitar a falência.


Como entrar com um pedido de Recuperação?


Para entrar com o pedido de recuperação judicial, o empresário precisa atender alguns requisitos. São eles:


  • Exercer regularmente suas atividades há mais de 2 (dois) anos;

  • Não ter, há menos de 5 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial;

  • Não ser falido, ou se foi, estarem extintas as obrigações.


O processo da Recuperação Judicial se divide em três fases:


Fase postulatória;

Fase de deliberação e

Fase de execução.


A fase postulatória se caracteriza pela apresentação do requerimento do benefício pela sociedade em crise.


A Petição Inicial deve conter:


  • Causas da dificuldade econômica;

  • Dados dos sócios e administradores;

  • Relação de todo o patrimônio, incluindo contas bancárias da empresa;

  • Listas dos créditos e credores;

  • Demonstrações contábeis;

  • Laudo de viabilidade econômica elaborada regularmente por um economista.*


* A Recuperação Judicial só é possível para empresas que podem provar que sua situação é reversível, dessa forma, caracteriza-se sendo uma empresa viável.


Na fase deliberativa, o órgão do judiciário avalia se, de fato, a empresa tem direito a esse benefício. Cabe à assembleia dos credores discutir e votar o plano de recuperação, e em seguida o juiz, de acordo com a decisão dada pela assembleia, deve aprovar ou o plano, ou por fim, decretar a falência da empresa.


Por fim, a fase de execução se inicia com a aprovação do plano e da decisão favorável do juiz, começa a etapa na qual o plano é executado.


O descumprimento de qualquer uma das ações previstas no plano levará a empresa a ter sua falência decretada.


Conclusão:


Para o empresário, a recuperação judicial pode ser a única alternativa para voltar a crescer e enfrentar as demandas da empresa. Portanto, caso esteja enfrentando grandes dificuldades para honrar os compromissos financeiros, é hora de buscar uma assessoria jurídica e analisar o que será melhor a se fazer.


Não espere até que a situação seja irreversível. Entre em contato.


Leia também: Cobrança Judicial? Entenda como a dívida chega a este ponto.